2º Miniconto: Prisão de Vidro

Prisão de Vidro

Não me contive em meus erros, e insanamente, quando tive a chance de te tocar, não pude negar minha vontade. 
Seu corpo era assim todo meu, corpulento, dotado de vontade, com o gosto da sexualidade. Mas eu me perdi e você me aprisionou em paredes de vidro. Tirou meu direito de ir e vir, me consumiu com seus desejos e eu deixei, fiz tudo o que pediu, me abri, permiti que continuasse naquela intensidade doentia, e agora que me dei conta, não consigo te largar, é você, meu homem, meu monstro...

Autor: Felipo Bellini Souza         Criação: 14/06/2009           Objetivo: Pôster da Delegacia da Mulher 2010
0