8º Miniconto - Penas Negras

Penas Negras

Noite travessa, em que os pequenos corvos brincam entre os muros largos de sua morada. Seus pais, negros corvos se embucham no altar dos corvos enquanto os corvos guerreiros tomam a noite com seus grasnares de pavor pela cobiça de seus senhores. E escondido de todos, o corvo bruxo, com seu grasnar mítico e obediente da própria morte escolhe o banquete do outro dia, ceifando as almas daqueles que o suor já não lhe serve mais.
Noite e Morte.
Mistério e Dor.
Medo e Fuga.
Segredo e Magia.
Grasnar dos Corvos.
Silêncio das Tumbas.

Cala-te pequeno homem, não se preocupe com seu ouro e luxo, sou apenas filho da dama da noite e não vou te tomar nada mais que seu ar, então escute meu grasnar e silencie.

Autor: Felipo Bellini                  Data: 16/05/2010                       Objetivo: Antologia: O Corvo da editora Literata
0