Pages - Menu

30 de ago de 2011

3º Material de Redação - Vídeos da Internet Sobre Educação - Exercício 2

Vídeos da Internet Sobre Educação

A educação é um tema debatido nos mais diversos âmbitos, seja na política, seja nos programas de TV, seja na conversa de dia a dia, na escola, no bar, no trabalho, na internet.
Em geral, tratamos a educação como um substantivo fundamental à nossa sociedade, e abordamos diversos lados para descrever e explicar, através de argumentos, porque algo tão fundamental é tão banalizado por todos.
São temas a nossa educação escolar, cívica e familiar, envolvidas em todos os fatores como estrutura, políticas públicas, docentes e alunado que são tratados nos vídeos abaixo, eternizados pelo advento da internet.

Veja os vídeos e escreva ao que eles se referem e os argumentos expostos pelos falantes.

Oratória
Vídeo da (na época não) presidente Dilma falando sobre o investimento em institutos federais e UFs pelo país em 2008 e como isto iria ajudar o Brasil a se desenvolver.

Vlog
Vlog é um gênero novo na internet, que permite a usuários e pessoas comuns deixarem suas opiniões em geral a um público geral. No caso, Barbara Miyaji, dona e apresentadora do vlog coloca seu ponto de vista sobre o há de errado com o investimento em educação no país.

Depoimento
A professora Amanda Gurgel, do estado do Rio Grande do Norte coloca em questão tópicos como o investimento em educação, salário dos professores e afins para a Câmara dos deputados do RN.

Vídeo Clipe
Um vídeo clipe da banda Semi-Novos que defende porquê escolher um nerd. Nerd é, neste caso, é aquele que estuda muito e é dedicado, esperto e afim. Veja o vídeo.

Comparem os argumentos apresentados pelos personagens dos vídeos, interprete, encontro novos argumentos e escreva uma carta aberta as pessoas deste blog denunciando os problemas na educação brasileira e porque devemos modificar este quadro, claro, que sem esquecer do que já vem sendo feito para melhorar a educação do cidadão brasileiro.

Autor: Felipo Bellini Souza          Criação: 30/08/2011         Objetivo: Oficina de Redação PROCEM-UFRN

28º Miniconto - Apenas Amigos

Apenas Amigos

Mesmo que não seja assim tão fácil, mesmo que você não me veja usando roupas floridas, eu estou aqui, com você, sem você, para te encantar profundamente, beijar seus lábios e gastar dias e dias de paixão feroz em seus braços. Mas já não lhe interessa mais, os dias se passaram e o cinza tomou conta de nosso amor ensolarado, e quando você me olha já não vê aquele por quem se apaixonou, vê apenas um alguém, uma amizade. E dessa forma o beijo sedento de um dia se tornou um frisar de lábios, a emoção da alma uma depressão sombria e minha presença nada mais que uma sombra no dia.

Autor: Felipo Bellini Souza               Criação: 30/08/2011        Objetivo: felipobellni.blogspot.com

29 de ago de 2011

2º Material de Redação - Charges Animadas sobre Educação Brasileira



Charges Animadas sobre Educação Brasileira

Quando colocamos Educação Brasileira na internet, nos deparamos com milhares de conteúdos e sítios a respeito do tema. Dentre estes, encontramos um site em especial que crítica de forma fervorosa e humorística a situação da educação brasileira nos mais diversos temas.

As que mais caem no meu gosto são:

Estrutura atual das escolas: política, infraestrutura, crenças e situações de alunos e professores:


Essa é muito inteligente, exibe a necessidade dos professores buscarem diferentes recursos para manter sua sala de aula e o ensino de qualidade, mesmo em condições extremas de infraestrutura. Obs: Uma animação musicada.

Um tanto que antiga (2002) essa charge retrata os problemas antigos, mas atuais da educação brasileira em uma animação musicada.

Brinca com diversas situações extremas que são anunciadas pela mídia sobre o cotidiano escolar e dos professores. Relata muito sobre as crenças universais sobre a educação brasileira.

Charge também musicada, retrata as inseguranças do vestibulando e as crenças dos pais.

Mais uma crítica feroz a evolução da educação brasileira. Uma resenha da propaganda política que falava sobre o salto de 0,4 no índice da educação brasileira em 2008.


http://charges.uol.com.br/ é um site com conteúdo humorístico do jornalista, designer e músico Maurício Ricardo, que o atualiza diariamente com charges sobre o cotidiano, política, e outras centenas de temas em geral.

Autor do texto: Felipo Bellini Souza       Autor das Charges: Maurício Ricardo e Equipe

1ª Mensagem Direta: Aos que ainda dormem...

Aos que Dormem...

ATENÇÃO!

Todos os dias somos obrigados a escutar o que não queremos, impedidos de responder o que achamos necessário e nos tornamos passivos aos mandos e desmandos daqueles que abusam desse sistema ilusório ao qual participamos.

O nome dessa passividade se chama falta de AÇÃO, falta de INICIATIVA, falta de AMOR próprio! Cansado dessa realidade, a qual combato diariamente, decidi expor o que penso, desculpas aqueles que ofendo.
Façamos valer a nossa consciência, façamos valer a nossa noção de existência, sejamos menos ignorantes e pintemos nossas caras, arregaçando nossas mangas vamos à luta, seja qual for ela, vamos TENTAR, mesmo que os muros da PREGUIÇA nos tentem, mesmo que a doce saliva da mesmice queira nos tocar MUDEMOS, vamos revolucionar a nossa tendência parasita e vamos correr, caminhar, TRANSFORMAR, CRESCER!


Autor: Felipo Bellini           Criação: 30/08/2009           Objetivo: Mural da Delegacia da Mulher

27 de ago de 2011

27º Miniconto - Como Nascem os Heróis

Como Nascem os Heróis

Hoje o homem se vestirá de negro e seguirá sem rumo para nunca mais voltar... E logo todos se lembrarão do herói que foi, e suas batalhas sangrentas serão ainda mais sangrentas, os homens que apunhalou serão bárbaros que dizimou e as crianças de quem abusou serão donzelas que salvou. Assim o tirano padece, assim o herói nasce!

"Meus heróis
Morreram de overdose..." 
Cazuza

Autor: Felipo Bellini Souza           Criação: 27/08/2011            Objetivo: felipobellini.blogspot.com

1ª Foto da Semana - Lado Dois Europeu

Essa foto foi tirada em florença, em 30/07/2011 ao lado do museu onde fica a estátua Davi de Michelangelo.

Foto tirada no dia 30/07/2010 - Em Florença, Itália

1º Material de Redação - Exercício 1

Leia o texto abaixo abaixo, retirado da revista Atualidades 2012 - Guia do Estudante, referente ao segundo semestre, que resume a matéria publicada na mesma sobre o tema "Educação" em quatro tópicos: escolaridade, analfabetismo, mudança e precariedade.

Resumo: Educação


Escolaridade: O Brasil está vencendo o desafio de incluir todas as crianças e jovens nas escolas. Mas a qualidade do ensino ainda é ruim, e o país é avaliado, pela Unesco, como o grau médio em desenvolvimento educacional.
Analfabetismo: O país está reduzindo o analfabetismo (pessoas com mais de 15 anos de idade que não sabem ler nem escrever), mas muito lentamente. Em 2010, ainda possuíamos 13,9 milhões de analfabetos, um total que coloca o país entre os dez maiores contingentes de pessoas nessa situação no mundo.
Mudanças: A partir da década de 1990, o governo adotou medidas e programas para reformular a educação, o que incluiu a criação de fundos para o repasse de recursos e exames de avaliação da qualidade nos níveis de escolaridade (ensino Fundamental, Médio e Superior), além de um plano de metas para a década de 2000.
Precariedade: No Ensino Médio, a evasão escolar é muito elevada, pois parte significativa dos jovens de baixa renda prioriza o trabalho, e o nível de repetência é alto. O desafio é ampliar a presença dos jovens no Ensino Médio e adotar políticas de valorização dos professores e de melhoria da qualidade do ensino.

Tarefa: Reescreva os textos dos tópicos em períodos menores e com suas palavras.

Referência:
EQUIPE GUIA DO ESTUDANTE (Brasil). Educação: : Em busca de qualidade.Guia do Estudante: Atualidades, São Paulo, n. 14, p.96-97, 2012.

1st short-fiction - Home of Agony

Home of Agony
I try to sleep, but haunting images don't allow my heavy eyelids to
rest. I am sensitive, I feel the despair of the living, of the dead,
soul in agony.

I rise from my bed, injusticed voices scream, spirits bound to fetters
ask for justice, beg for mercy.

The mirrors are doors, in them I don't see my reflection, I see the
pain of those who had their life interrupted.

All disturbs. If not those already gone, then those still to go,
marking my body in scarifications of hunger, thirst, oppression and
pain.

So I fill myself up with morphine, dumped in a dirty sofa, gazing at a
TV and praying for the overdose to come soon, fulfilling my pained
body by the blessing of the interrupted. Waiting to die.

Autor: Felipo Bellini Souza                  Criation: 11/12/2009             Objective: Newspaper UFRN - Professor Sandra Erickson
familiabellini@gmail.com

26 de ago de 2011

26º Miniconto: Fervendo Lava

Fervendo Lava

Era final de tarde, e os alunos da 5ª série de uma importante escola católica da cidade aguardavam com impaciência o término da aula de biologia. Ciente do assunto a experiente professora finaliza o conteúdo do dia explicitando um pouco mais sobre a importância de ferver a água da torneira antes de consumi-la.
          --Então lembrem queridos, ferver a água lhes garante tirar as impurezas do líquido, tornando-a pura para o consumo! – Falou ela com um tom que se misturava entre carinho e autoridade.
                Um de seus alunos avidamente respondeu.
                -- Como a água benta professora?
                Achando graça a professora responde:
                -- Não, a água benta é uma água diferente...
                -- É a água do inferno professora?  

E então, como se faz a água sagrada? Ferve-se a água do inferno? Risos...
Você por acaso tem a receita?

Autor: Felipo Bellini           Criação: 26/08/2011      Objetivo: felipobellini.blogspot.com

Confira o áudio na voz de Luiz Gadelha - Músico e Compositor - Twitter: @Luiz_Gadelha e Myspace: http://www.myspace.com/luizgadelhamusica
Ouça:
Baixe:

Primeiras Impressões Sobre Palavra Educação

Na oficina de redação, realizada no dia 24/08/2011 foi pedido aos alunos que colocassem no papel frases e períodos que lhe viessem a mente quando se deparavam com a palavra educação. Desta forma os alunos se expressaram em uma tentativa pessoal de expressar o significado da palavra em um caráter pessoal.

Esses foram os períodos construídos pelos alunos da turma de redação do CRUTAC ministrada por mim (Felipo Bellini Souza).



"Uma forma de pensar melhor no futuro"
"A sociedade brasileira ainda sofre com o descaso na educação"
"Sistema pelo qual se consegue alcançar um objetivo almejado"
"A educação move um país"
"Há uma coisa muito importante que devemos ensinar as nossas crianças, que é educação."
"Não é apenas na escola que eles devem aprender, primeiramente os pais têm de se envolver nesse processo, sendo que reconhecidamente são à base de tudo."
"A internet afeta a educação atual?"
"O estudo nas escolas de hoje em dia..."
"Essencial para ter uma vida financeira melhor e ampliar conhecimentos."
"A educação é a base para uma vida melhor."
"A educação é o futuro da sociedade."
"Com a educação conseguimos um futuro melhor."
"O momento que exponho meus princípios."
"Um progresso retardado no país."
"A educação brasileira está muito distante de ser considerada a ideal."
"Segundo os pais displicentes: a educação vem da escola!"
"A educação era para ser prioridade em todas as nações."
"A educação é a base para o futuro!"
"Ensinar aos jovens boas maneiras é prioridade!"
"A educação é fundamental no nosso dia a dia."
"Sem a educação não existe um futuro."
"A educação é a base essencial para o amanha."
"Qual papel da escola na educação dos jovens?"
"Falta educação de qualidade para todos."
"A educação é tudo na nossa vida."
"A educação é em suma o esperado para um futuro melhor."
"A educação é a base do sucesso."

Espero que os leitores gostem do material apresentado, eu gostei!!!

Escrito por: Felipo Bellini Souza e Alunos da Oficina de Redação PROCEM UFRN
Criação: 24/08/2011 à 26/08/2011                                  Objetivo: Debater o tema Educação em Sala

25 de ago de 2011

1ª Crônica - Um Banco Andrógeno

Um Banco Andrógeno

                Aquela era mais uma das tardes em que seu João passava sentado no banco da Praça das Flores, acompanhando displicentemente os que passavam enquanto lia as manchetes de sua tribuna diária. Em particular, naquela segunda-feira, ele tinha ao seu lado alguém que teimava em tentar roubar o ar que circundava seu banco. Incomodado pela presença daquele energúmeno, que podia ter escolhido outro dentre tantos bancos ao redor, seu João sentiu-se na obrigação de puxar papo.
                Armado de uma acidez que lhe era usual, rapidamente buscou um alvo infante para usar como exemplo. Com leves tapinhas na perna vizinha ele sorri ao mesmo tempo em que estreita os olhos por trás das lentes amareladas de seus grandes óculos e diz:
                -- Diga, o que acha do jovem a frente de calça jeans e cabelo curto na loja de sapatos femininos, é homem ou mulher? – Disse ele esperando uma boa gargalhada como era o costume dos taxistas do bairro.
                -- É mulher! – falou a pessoa com um seco na voz – Minha filha senhor!
            Se sentindo mal pela forma de como começou sua brincadeira, seu João tenta reverter ainda perplexo:
                -- A, me desculpe senhor, não sabia que era pai de alguém tão jovem...
               -- E eu não sou – disse com a voz ainda mais ofendida e cheia de desprezo ao mesmo tempo em que se levantava - sou a mãe!

E mais uma vez o seu joão conseguiu o que queria, se não a prosa o oxigênio...

Autor: Felipo Bellini Souza          Criação: 25/08/2011 15:15           objetivo: felipobellini.blogspot.com

1º Conto: Tempos de Renascer


Tempos de Renascer


             O recado da vida passa tão depressa pelos nossos olhos que antes mesmo que nos demos conta, ele já passou.
          Foi assim que dona Maria se sentiu ao sentar pela enésima vez naquele estofado branco, esperando, junto à melancolia do ambiente a notícia do fim. Por seus olhos marejados, ela via mulheres de todas a idades, todas quietas, tensas, acompanhadas por filhos, parentes ou amigos, mas sozinhas em suas mentes vazias, em seus medos íntimos, afundadas em seu sofrimento diário.
            De onde estava, via mães que carregavam crianças ao colo, crianças que amavam suas mães independendo do cabelo que caísse, da palidez do seu rosto, do frio de suas almas. Via pequenas criaturas, que entendendo ou não pelo que suas deusas passavam, as olhavam com doçura, tristes e encantadas pelo choro silencioso dos pais.
            Sob seus olhos, mirava os amigos fiéis, companheiros em um momento tão íntimo, estivessem lá por pena ou amor, eram verdadeiros anjos ao segurar a mão dos ventres feridos. Maria sentia seus olhos lacrimejarem, sentindo no escorrer de seus olhos a solidão de sua vida.
            Era a única sozinha; todos tinham alguém ao lado, todas, pelo maior sofrimento que fosse, se viam seguras pelos abraços amigos, choros infantis, carinhos e afagos calados.
            Então seus olhos passaram e pela grande janela que expunha todo o magnífico pôr do Sol, era estranho como havia demorado em perceber as maravilhas à sua volta. Haviam sido tantos anos de trabalho, tantos anos sem descanso em madrugadas perdidas: pelos carros do ano, pelas roupas mais caras. Momentos trocados, em que recusou um abraço, um beijo, um carinho.
            Lágrimas desceram mais intensamente, molhando seu rosto à medida que lembrava de seus meninos já crescidos.
            Era estranho como lembrava tão pouco. Tudo em sua mente eram os aniversários não festejados, as aventuras perdidas, as férias de uma semana. Perguntava-se quantos momentos havia perdido com seus filhos: eram incontáveis os beijos, as brigas apocalípticas, os “mas” falados, os “e” negados, as declarações apaixonadas das quais sentia falta.
            Assim seu coração se apertou, maltratando-a com a idéia de que seus filhos podiam não saber apreciar os momentos da vida. Assim ela se desesperou, imersa em seus pensamentos e lembranças de uma vida sem voz.
          Flutuou até ser chamada. Seu nome soou diferente das primeiras vezes; soava carinhoso, íntimo. Todos ali já a conheciam, estavam juntos desde sua primeira consulta, acompanhando todas as mudanças pelas quais Maria passou, todos ansiosos, desde o porteiro que a ajudou a subir as escadas até as enfermeiras e secretárias que acompanharam seus gritos de dor, seu desespero perante o que viria, sua luta para sobreviver.
            Assim, acalentada pelos olhares amigos, ela ergueu o corpo. Já não se sentia tão solitária, mas a cada movimento era lembrada do estado em que estava. Sob as roupas largas, sentia o tórax dolorido pela cicatriz que agora o marcava. Ali, onde antes havia seus seios, agora estava a marca de uma sobrevivente. Ela sabia disso, mas sabia o quanto havia custado.
            Passo a passo, seguia pelo corredor. Em sua cabeça as imagens frente ao espelho lhe consumiam, lembravam de como um dia seus cabelos haviam sido compridos e abundantes, de como se achava bonita, aparentando saúde e vida. Havia sido aquela uma de suas tarefas mais duras; era difícil ainda olhar para imagem de agora e se ver tão diferente. Não se sentia feminina, não se sentia bonita. Na imagem que via, enxergava um corpo estranho, um corpo marcado, tingido de dor.
            Aquela havia, sim, sido uma lição, fora por uma das mulheres de branco que tantas vezes seguraram sua mão frente às sessões de quimioterapia de quem ela havia aprendido: aquele, por mais marcado que fosse, era o seu corpo, parte dela, marcado pelas lutas, mostrando a coragem do sobreviver.
            Foi por essas palavras amigas que ela aprendeu a importância do porquê dela lutar - era simplesmente parte dela, era ela quem o veria todas as noites, teria afinal de encontrar alguma feminilidade, algo para gostar e amar.
            Assim, levada pela correnteza, ela sentou-se sobre a poltrona de couro, para ela olhava seu tão paciente médico, entre cumprimentos sérios e olhos sobre os exames. A sala tomou-se num suspense, sensação que se seguiu quando a mão fria averiguou o que seria seus seios, percebendo a cicatrização. Era estranho; sob aquelas mãos frias ela sentia-se protegida e vulnerável. Fôra ali, naquele mesmo consultório, que ela recebeu a primeira notícia, palavras sérias e ausentes, palavras que selaram seu destino, vindas de um rosto calado que agora se iluminava em um sorriso grandioso, sorriso menino, que contagiou, esquentando o ambiente, acalmando Maria.
            Nesses dois anos de tratamento, havia aprendido tanto, eram os ensinamentos dos pequenos detalhes, do milagre da vida, da chance de poder continuar. Reflexão dos valores da saudade. Assim, os dois se abraçaram - há muito Maria não se sentia tão feliz.
            Então, após contagiantes e discretos adeuses, ela se despediu, e abrindo as portas da liberdade, viu seus filhos, seus netos que observavam sobre o capô do carro a noite nova, e sentiu-se vitoriosa, ela sorriu. Finalmente, após tantos anos, tanto tempo distante, ela conseguiu sua tão sonhada alta: Maria estava curada!



Autor: Felipo Bellini Souza          Objetivo: Antologia Esperança RS       Criação: Cidadela Editorial, 2009                               Contato: felipobellini@yahoo.com.br

24 de ago de 2011

Aulas de Redação

Acho que ainda é tempo, então, aos desavisados, estou ministrando uma oficina de redação e mídias na UFRN, no cursinho PROCEM ás quartas-feiras. Hoje (24/08/2011) tivemos nosso primeiro encontro, onde debatemos como vai funcionar o nosso curso, as atividades propostas assim como nos aprofundamos no tema: "educação", onde acompanhamos vídeos de diversos meios, desde a presidente Dilma, vlogs populares e charges animadas da internet. 
Para o nosso primeiro encontro, tivemos 33 alunos, onde destes, 28 alunos votaram nos 5 temas que mais lhes atraem para serem debatidos em sala de aula no decorrer do próximo encontro.
 Inscrições no telefone: 3215-3272

Os resultados dessa votação foram:


Preconceito 1111111111111111 = 16 
Mundo tecnológico   111111111 = 9
Juventude 1111111 = 7
Prostituição 11111111111 = 11
Questão social  111111 = 6
Violência 11111111111111 = 14
Homossexualidade  11111111 = 8
Relacionamentos  1111111 = 7
Natureza e preservação 11111111111 = 11
Humanidade  1111111 = 7
Mercado de Trabalho  1111 = 4
Política e politicagem  1111111 = 7
Cidadania  1111111 = 7
Sociedade de Consumo 111111111 = 9
Língua portuguesa  111 = 3

Sendo assim, a aula que vem vai abordar o tema: "Preconceito"
 Inscrições no telefone: 3215-3272