6ª Resenha Crítica - Brado Retumbante 5


Brado Retumbante N° 5



Sinopse: A Brado Retumbante n° 5 é uma HQ produzida pela Cooperativa Brado Retumbante e o Reverbo Estúdio que reúne três estórias de super-herói que possuem como único elemento em comum desmistificar a figura do herói.

Enredo: Em ‘O Duque – A Segunda Lágrima’ (2007), Desenhada por Wendell Cavalcanti e Roteirizada por Fernando Aureliano, temos a chegada de Ykhay ao planeta Arthrap-Ankar em busca de sua irmã. Ao descobrir que a mesma foi morta por um barão, ele trama o assassinato e casamento com a filha deste.

A segunda estória é ‘Winblack’ (2007), e foi roteirizada e desenhada por Wanderline Freitas, que faz a apresentação de um herói que caça bandidos, impedindo velhinhas de serem roubadas e jovens de serem violentadas, para depois criticar brevemente o que tipo de herói é este que mata.

Por último temos a estória que leva destaque na capa. ‘Cabala – Dor!’ (2007), a personagem Cabala, idealizada por Miguel Rude, Joseniz e Wendell e em uma estória roteirizada e desenhada pelos mesmos, vai à cidade de Martins para ajudar o Padre Guimarães, seu antigo companheiro de aventuras, e ver Tainan, a menina que havia ficado sobre a tutela deste.

Mas a estória não acaba por ai, e ao descobrir que a garota havia morrido, ela sai da casa e se recusa a ajudar o padre, que é decapitado por alguma coisa que foge dos olhos da bruxa.

Por fim, já no cemitério, após seguir as marcas de sangue, ela se depara com a cabeça do padre em frente ao tumulo de Tainan, e é pega em uma emboscada por um menino que tenta lhe matar com uma estaca. Ao tocar o menino Cabala penetra suas lembranças e todo o sofrimento da criança, a qual mata para depois desfalecer pela intensidade de suas memórias.

Crítica: Embora todas as estórias tenham um grande potencial, vejo que o roteiro desorganizado e as poucas páginas de conteúdo as limitam. Espero que seus autores tenham oportunidades de publicar estes quadrinhos e revistas mais compostas e se atenham a importância de um bom revisor, tanto para a linearidade do texto como para o português.

O que mais gostei: Sem dúvida foi da crítica ao herói, que acontece nas três HQs. Em ‘O Duque’ temos um herói que tem seu caminho interrompido ao ceder a vingança. Em Winblack, o questionamento sobre a aclamação de heróis assassinos e a real necessidade de um herói. E por fim em Cabala uma heroína disposta a virar as costas a quem clama ajuda e que mata por acidente a vítima. Um herói sem controle não é um herói!

O que menos gostei: Foi o desenvolvimento destas estórias. Elas são boas, mas poderiam ter sido ótimas.

Curiosidade: Pode-se dizer que a personagem Cabala já foi um homem, uma vez que foi reformulação da personagem de nome Ariana, que por sua vez já era reformulação do personagem Ariano, membro da antiga Legião Natal. No entanto a atual Cabala pouco tem haver com seus antecessores, uma vez que Miguel Rude, com a ajuda dos outros idealizadores, mudou seu visual, personalidade e a transformou em bruxa.

Confira mais do trabalho destes artistas em:

Autor: Felipo Bellini     Criação: 03/11/2012    Objetivo: www.ligadosfm.com


4