7º Ensaio Cultural: Nossas vidas no futuro - sobrará humanidade?

Um dos assuntos que mais me tem interessado desde sempre é a evolução tecnológica e como ela poderá nos afetar no futuro. Procuro até mesmo entender alguns detalhes técnicos por trás das previsões dos especialistas, embora seja um leigo como qualquer outro. Pelo que eu andei pesquisando, cheguei à conclusão que muitas das limitações técnicas que temos hoje desaparecerão e certamente nossas vidas terão um grande salto em qualidade. Um do tipo que não conseguimos testemunhar em nenhum outro momento da história humana.

Uma das minhas principais fontes são os livros do Ray Kurzweil, um dos maiores especialistas do mundo em inteligência artificial e estudioso dos ciclos tecnológicos. O autor é conhecido por ter feito muitas previsões precisas, que incluem até mesmo a da queda da União Soviética devido a avanços tecnológicos que dificultariam o controle da informação pelo governo ou que computadores se tornariam melhores jogadores de xadrez que seres humanos. Sua principal teoria é a Teoria das Mudanças Aceleradas, que mostra que a taxa de inovação tecnológica tende a evoluir ao longo da história, isto é, quanto mais inovações técnicas temos, mais delas tendem a surgir. O motivo é óbvio: se temos mais tecnologia, temos mais meios tecnológicos de produzi-la. Computadores evoluíam em bytes, depois em kilobytes, passamos pela era dos gigabytes e estamos entrando na dos terabytes. O fato é que a tecnologia está ficando cada vez mais obsoleta e isso não é uma conspiração industrial. É simplesmente uma rápida evolução técnica.

Nanorrobôs em nossa corrente sanguínea poderão monitorar as nossas taxas e garantir que estamos saudáveis e, em alguns casos, até mesmo controlá-las. Robôs domésticos se tornarão algo banal e computadores já não mais serão dispositivos fechados, sendo, na verdade, um conjunto de fusões difusas, encontrados em qualquer lugar (roupas, paredes, móveis, etc.). Michio Kaku, um dos grandes físicos da atualidade, também está de acordo com essas previsões e faz outras. Diz ele que possivelmente no futuro não conheceremos mais a palavra "tumor", pois qualquer possível sinal de câncer será identificado automaticamente e prevenido. Lojas de órgãos humanos também não serão raras, ele diz.

Porém, muitas coisas me preocupam, embora estas previsões sejam otimistas. O que pode ser usado pelo bem, por que não poderá ser utilizado para o mal? Ray Kurzweil prevê um governo mundial em aproximadamente 2020. Seres humanos se tornarão primariamente não-orgânicos e não terão um corpo físico fixo. Eu tenho algumas previsões morais sobre tais avanços. Admirável Mundo Novo, escrito ainda no início do Século XX nos alerta para os perigos de uma ciência sem humanidade. Talvez poderemos nos controlar tanto que acabaremos nos auto-escravizando sem uma mínima percepção. Será possível preservarmos nossa humanidade, nossos valores e nossa cultura com essas tecnologias?

De qualquer forma, não sou tão otimista com relação ao nosso querido Brasil. Se mal conseguimos acompanhar a evolução tecnológica do mundo no que nos é mais necessário (saúde, educação, transporte, lazer), certamente as boas consequências dessa grande evolução técnica tomarão tempo para chegar a nós. Já as tendências culturais que surgirão com essa singularidade tecnológica não tomarão tempo para nos alcançar. Mas, com a moral que existe aqui, é bem possível que saiamos no lucro em adquirir uma outra, mesmo que também lamentável.

Ver também:


Singularity is Near e Era das Máquinas Espirituais, livros de Raymond Kurzweil (a venda na Livraria Cultura)

Physics of the Future (em inglês), livro de Michio Kaku (a venda na Livraria Cultura)


Autor: André Marinho
Criação: 12/02/2012
Objetivo: www.ligadosfm.com
0