5ª Criticando Cinema: Serendipity e o descaso ao acaso do destino


Olá pessoal, o Criticando Cinema de hoje vai falar sobre o “destino” ou mais precisamente sobre o filme “Escrito nas Estrelas” (Serendipity) que é dirigido por Peter Chelsom (Town & country, 2001) e estrelado por John Cusack (Alta fidelidade) e a atraente Kate Beckinsale (Pearl Harbor e Anjos da Noite).

Sinopse: Jonathan e Sara passam a noite andando por Manhattan. Quando a noite chega ao fim, os dois são forçados a determinar algo como seu próximo passo. Quando Jonathan sugere uma troca de telefones, Sara rejeita e propõe uma idéia que dará ao destino o controle de seu futuro. Se eles tiverem que ficar juntos, ela diz a ele, eles encontrarão o caminho de volta para a vida um do outro.

Enredo: O filme conta a história de Jonathan e Sara que estão em uma loja para comprar uma luva. Ambos estão se relacionando com outras pessoas, mas se conhecem e rola uma química entre eles. Como não podem trair seus pares, eles resolvem deixar o destino agir: ele escreve o número dele numa nota de cinco dólares e a passa adiante, assim como ela escreve seu número num livro e o vende. E se separam para deixar o destino agir com uma pequena ajuda dos próprios.

Resenha: Escrito nas Estrelas foi um filme que entrou em minha vida por uma obra do "destino", pois eu estava dormindo e no meio da noite eu perdi o sono e resolvi ligar a Tv pra ver o que estava passando e foi justamente quando esse filme estava no Corujão. Na verdade ele não é um dos melhores filmes do mundo, mas é bem bonito de se ver. Tudo que você precisa para curtir é entrar no espírito dele. Por um motivo bem simples: o filme trabalha em cima do improvável. Sabe aqueles filmes que chegam ao final e de repente uma grande coincidência acontece para levar-lo a uma conclusão? Aqui você pode esquecer isso. Não vai ter uma coincidência no final. As coincidências (ou destino, como a personagem Sara gosta de falar) acontecem do primeiro minuto até a hora de subirem os créditos. 

Se você não gosta desse tipo de filme então eu aconselho a passar bem longe dele, mas se conseguir entrar no clima, pode se divertir bastante. Ele tem um bom casal de atores nos papéis principais você sente que os dois estão ligados mesmo separados em boa parte do filme, os coadjuvantes roubam a cena (com destaque para Jeremy Piven que interpreta o melhor amigo do protagonista) e sem contar uma história que segue de forma ágil, com bons momentos engraçados e dois personagens lutando contra o destino para ficarem juntos. Na verdade é um filme que vale muito a pena ser conferido.

O filme é muito bem recomendado pela critica, nacional e internacional e no fim ele é ótimo para fazermos uma boa reflexão de nos mesmos, será que nos antecipamos na maioria dos acontecimentos mais importantes das nossas vidas, ou deixamos as coisas acontecerem naturalmente? Mas, no final tudo é uma questão de ver a vida, Não é mesmo?

E pra terminar deixo uma das falas que resume o que esse filme representa. Obrigado pessoal e até o próximo Criticando Cinema.

"No entanto, Jonathan concluiu que para viver em harmonia com o universo é preciso ter fé inabalável no que os antigos chamavam de "fatum", aquilo que nos mortais chamamos de destino..."


Por: Anderson Ricardo
Em: 27/04/2012
Objetivo: www. LigadosFM.com



0