23º Mundo Cão - O Interesse Público Carece de Inovações

Já está mais do que na hora do movimento trabalhista brasileiro repensar suas estratégias de revindicação por melhores condições de trabalho, salários e prestação de serviços à população. Greve, nos dias de hoje, parece mais um movimento anarco-fascista com tendências ao partidarismo político. No fim das contas, sai perdendo aqueles que mais necessitam dos serviços essenciais.

Saúde, educação, segurança, transportes... É anormal um ano em que não se registre uma eventualidade do tipo. No Brasil, todos os anos, basicamente, estas quatro esferas do interesse social paralisam, ocasionando o caos na vida do cidadão, o maior prejudicado e o que mais tem sofrido com descasos os quais vão da depredação na qualidade do serviço prestado às próprias paralisações.

O que está acontecendo? O que se pratica no movimento trabalhista brasileiro até os dias de hoje não se difere muito do que se viu há 30, 40, 50 anos. O núcleo de todas as revindicações chama-se GREVE! E, os maiores interessados nas melhorias que vierem, a população, vê-se prejudicada e se coloca como vítima da situação. É necessário inovação, ainda que resistentes ou "cabeças fechadas" os líderes sindicais.

O que pensam os sindicatos? Desde ontem, o serviço de transporte público da cidade encontra-se paralisado em sua quase totalidade (com exceção de algumas linhas de transporte alternativo e ônibus intermunicipais). Hoje, a CBTU tomou suas rédias e o usuário caiu no sinistro...

E as classes trabalhadoras inseridas no contexto presente? Sem deslegitimizar o movimento, o TRT-RN exigiu do Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Rodoviário da capital a recolocação de pelos menos 70% de toda a linha nos horários de pico. A lei coloca que, em condições de greve, é obrigatória a circulação de, pelo menos, 30% de toda a frota. E a população não só não aguenta mais ter que conviver com esse monte de greves todos os anos, como retira o seu apoio da praça, crucial para o consumar da legitimidade da greve.

E quanto aos empresários? Pouco se vê ações as quais chamem a atenção, de fato, da classe empresarial. Daqueles que caem como alvo das reivindicações. Vestir uma camiseta vermelha e cuspir no passeio público feito um "contrário ao sistema" não é comportamento aceito pela opinião pública nos dias de hoje. Não vivemos sob uma ditadura e não estamos às vésperas da publicação d'O Capital, de Marx. Se querem chamar a atenção e tornar legítimo o movimento, que o façam acompanhando as mudanças naturais na forma humana de se viver!

Será que o movimento sindical e trabalhista de que falamos e cujo qual nos deparamos todos os dias repensa suas ideias ou acompanha o curso natural da evolução dos fatos? O mundo não é mais aquele de 20, 30 anos que se passaram. Assim como o céu e o ar que se respira, o meio em sociedade também tem seus buracos e sua paisagem coberta pelo cinza!

O que falta, na verdade, são medidas que tornem inteligentes, novamente, as paralisações, as reivindicações e o ganhos para todas as partes envolvidas!

Mexer com o bolso dos empresários sem atingir a integridade da pessoa física em cada cidadão tem lá seus mais encantos do que fazer justo o contrário. Cada ônibus que fica estacionado, parado, nas garagens contribui com a redução no consumo de combustível, óleo, desgaste de pneus, manutenção e outros. Porém, cada penalização por mantê-los nas garagens custa aos cofres do sindicato R$ 25.000,00 / dia. É necessário reivindicar sem descumprir a lei que garante ao cidadão o serviço prestado.

Ao invés de optarem pela mesmice a qual mais cansa a população do que a atrai como aliada nesta empreitada, uma pauta descumprida ou, sequer, colocada em discussão e o descordo da opinião pública com o movimento, mudar, sem mexer no interesse público e sem prejudicar um colega de classe social vale muito mais do que transformar um movimento, legítimo e de direito, em uma vitrine a qual parece vender férias, interesses particulares e obsolescência de ideias.

Por: Andesson Amaro Cavalcanti
Em: 15/05/2012
Objetivo: www.LigadosFM.com

Confira a ultima coluna Mundo Cão: 22º Mundo Cão - O Espelho da Maldade
0