Pages - Menu

27/07/2012

10ª Entrevista Literária - Thiago Gonzaga

Thiago Gonzaga nasceu no início dos anos 80 na cidade de Natal, capital do Rio Grande do Norte. Considera como profissão a de pesquisador da Literatura norte-riograndense, embora consiga o seu sustento como Servidor Público Municipal, em prol de uma cidade mais limpa. É considerado um dos primeiros garis graduados em Letras do Brasil, algo bastante paradoxal, de fato. 

Amante da Literatura Potiguar, mantém um Blog chamado “101 Livros do RN”, onde divulga as obras de autores regionais; possui ainda uma biblioteca pessoal que já conta com mais de mil livros locais. É autor da obra “Nei Leandro de Castro - 50 anos de atividades literárias 1961-2011”, lançado em Maio pela Editora Sebo Vermelho, em conjunto com dois outros autores potiguares.

O autor Thiago Gonzaga

Ligados: Fale um pouco sobre você. 

Thiago Gonzaga: Sou um grande fã da Literatura Potiguar, que ama os nossos livros e escritores. Tenho uma biblioteca com mais de mil livros só com autores potiguares e sonho em me tornar um Crítico Literário. 

Ligados: Quando aconteceu o seu encontro com as Letras? 

Thiago Gonzaga: Sou de família muito humilde, filho de pais analfabetos; com cinco anos de idade perdi o meu pai, e minha mãe é empregada domestica, então tive que largar os estudos muito jovem ainda para ajudar na renda familiar. Até meus vinte e um anos de idade, eu era praticamente analfabeto, nunca tinha lido um livro, larguei os estudos no 3° ano do Ensino Fundamental. Só voltei a estudar depois do meu encontro com a Literatura Potiguar. 

Certo dia, já adulto, eu estava procurando emprego na rua e encontrei um jornal velho com uma crônica da Clotilde Tavares, escritora paraibana radicada em Natal. Aquela crônica me chamou a atenção, e ali aconteceu o meu primeiro contato com a Literatura Potiguar. Nesse mesmo período minha mãe, que era empregada domestica, ganhou da patroa alguns livros; trouxe para casa, e no meio deles encontrei alguns de Literatura Potiguar, com nomes como Câmara Cascudo e Manoel Onofre júnior. Ali definitivamente começou o meu amor pela Literatura Potiguar. 

Ligados: Recentemente você publicou o livro “Nei Leandro de Castro - 50 anos de atividades literárias 1961-2011”, em conjunto com dois outros autores. Fale um pouco sobre a obra e o que ela representa para você. 

Thiago Gonzaga: Esse livro é o resultado de um projeto que criamos para anualmente homenagear um escritor potiguar que tenha uma obra literária representativa para as nossas letras. Tenho dois amigos que me ajudam no blog, que é a Fátima Lima, estudante do curso de Letras, e o Luís Pereira, um amigo poeta que usa o pseudônimo de Chumbo Pinheiro. Convidei-os para me ajudar com o livro, já que me ajudam no blog com artigos, correções ortográficas, etc., dividimos as tarefas e o livro nasceu. A obra ficou muito bonita e é muito rica em informações e fotos sobre a obra do Nei Leandro; fiquei feliz com o lançamento, pois foi o meu primeiro livro lançado, porém ficamos mais felizes ainda com a contribuição que foi dada à Literatura Potiguar, pois o Nei Leandro estava comemorando cinquenta anos de atividades literárias e ninguém se lembrou disso, só a gente. Acredito que daqui a 50 ou 100 anos esse livro seja uma boa fonte de pesquisa sobre a obra dele.

Ligados: Como tem sido o reconhecimento do público a respeito do livro? A publicação mudou a sua visão do mercado literário norte-rio-grandense? 

Thiago Gonzaga: A receptividade tem sido muito boa, estou feliz com o resultado do livro, é uma obra que colabora com a Literatura Potiguar no sentido de ser uma fonte de pesquisa em relação à obra de Nei Leandro de Castro, já que até então não existia nenhuma. Quando comecei o trabalho de divulgação da Literatura Potiguar no Blog “101 livros do RN”, comecei a ter noção de como era difícil para um autor local publicar e vender livros aqui no estado. Infelizmente faltam políticas públicas que ajudem na divulgação e distribuição das obras, assim como um apoio maior com concursos e premiações, sem falar que existe um próprio preconceito da sociedade local em relação a nossa literatura, que não deve nada a de outros estados. 

Ligados: Dedica-se a outros gêneros literários? Se sim, em que autores você se inspira para a criação dos textos? 

Thiago Gonzaga: Na verdade eu sempre gostei da pesquisa, não me considero outra coisa a não ser pesquisador de obras locais; escrevo poesia, mas muito raramente. Na área da pesquisa, eu me inspiro no trabalho do Manoel Onofre Júnior, Tarcísio Gurgel, Humberto Hermenegildo e outros autores locais. 

Ligados: Ainda na Literatura, você toca um projeto de divulgação de autores potiguares chamado “101 Livros do RN que você precisa ler”. Quando surgiu essa ideia, e para você, o que falta para que as obras locais sejam mais exploradas? 

Thiago Gonzaga: Quando comecei a ler livros potiguares e frequentar sebos na cidade, senti a necessidade de conhecer mais da literatura potiguar e vi que a realidade do autor local era difícil, então cursei uma faculdade de Letras, e no período de quatro anos li milhares de livros locais. Quando me formei fundei o Blog “101 livros”, a fim de divulgar a literatura local para a nova geração que está surgindo e que usam a internet como fonte de pesquisa e estudos. No blog eu conto toda a história da Literatura Potiguar através de livros, dados de autores, curiosidades, textos, capas... Enfim, toda a literatura do RN em mais de 150 anos de história está sendo postada no blog diariamente. 

O que falta na literatura local são políticas públicas, ou até mesmo que se cumpram as leis que já existem, como a lei do livro, chamada também de Lei Henrique Castriciano, que propõe ao estado distribuir, publicar e apoiar os autores do RN.

Ligados: Você se considera um amante da poesia, fato que te fez vencedor do Prêmio Literário “O Trem da Minha vida” 2011, instituído pelo Curso de Letras da UnP e pelo PET literatura do Rio Grande do Norte. Conte-nos um pouco sobre essa premiação, e em especial, sobre o poema Bilhete de Suicida.

Thiago Gonzaga: Eu gosto de ler poesia, mas não sou poeta (risos). Eu ganhei esse prêmio em 2011 e foi um momento feliz, pois fazia quase cinco anos que eu escrevia este poema “Bilhete de Suicida”, e ele sofreu várias modificações até chegar à forma ideal para concorrer. Mostrei ao meu amigo Chumbo Pinheiro e ele gostou, então escrevemos um livro juntos chamado Avenida Poesia, que pretendemos publicar num futuro próximo. O poema eu fiz em homenagem à escritora Clotilde Tavares, que foi quem me fez ter o primeiro contato com a literatura local, e é o título do primeiro livro lançado por ela. 

Ligados: Está envolvido em outros projetos literários? 

Thiago Gonzaga: Sim, estou já em andamento com o próximo projeto que é em homenagem ao poeta Diógenes da Cunha Lima e seus 45 anos de atividades literárias, além de outro trabalho chamado “Novos Ficcionistas Potiguares”. 

Ligados: Qual a dica que você deixa aos novos escritores? 

Thiago Gonzaga: Leiam bastante, aprimorem a escrita, a técnica, conheçam os clássicos, e se esforcem para fazer uma obra diferenciada. Com certeza terão o valor reconhecido. 

Perguntas rápidas:
Autor (a): Vários do RN;
Ator (Atriz): Lenicio Queiroga;
Site: Substantivo Plural;
Banda: Rosa de Pedra;
Música: Linda Baby, de Pedrinho Mendes;
Filme: A vida é bela.

Links na internet:
Site: 101 Livros do RN (que você precisa ler);
Facebook: Thiago Gonzaga;
E-mail: (thiagokats@hotmail.com);
You-Tube: Canal de vídeos de escritores potiguares.

Ligados: Considerações finais. 

Thiago Gonzaga: Muito obrigado pelo espaço e vamos em frente, sempre em prol da Literatura e Cultura Potiguar. Recomendando que se cumpra o que esta na Lei Estadual: Literatura e Cultura do RN nas escolas já!


Autor: Thiago Jefferson - Criação: 27/07/2012 - Objetivo: www.ligadosfm.com
Postar um comentário