14ª Criticando Cinema: Na milha verde.

Olá pessoal, o Criticando Cinema de hoje é um pouco especial pois eu vou falar sobre o filme “A Espera de um Milagre” dirigido por Frank Darabont e estrelado pelo eterno Michael Clarke Duncan e o Forrest Gump Tom Hanks nesse filme que é uma adaptação do livro “The Green Mile” escrito por Stephen King que é um dos mestres do terror, sobrenatural e suspense.

Sinopse: John Coffey é um homem negro de grandes proporções, condenado à morte pelo assassinato de duas garotas brancas. Aos poucos, desenvolve uma amizade incomum com o guarda Paul Edgecomb, baseada na descoberta de que o prisioneiro possui um dom mágico que é, ao mesmo tempo, misterioso e milagroso. O guarda se debate em um conflito moral entre o cumprimento do dever e a consciência de que o prisioneiro que deverá morrer pelas suas mãos pode não ser o culpado de um crime tão brutal.

Enredo: o filme conta um longo flashback que é contado pelo então velho Paul Edgecomb quando era policial e trabalhava no corredor da morte de uma prisão no estado americano da Louisiana. Um dia, um novo prisioneiro chega: seu nome é John Coffey, um negro de altura impressionante mas que se revela um gigante calmo: ele conversa delicadamente, tem medo do escuro e chora várias vezes - algo que parece terrivelmente ilógico dada a sua condenação pelo estupro e assassinato de duas garotinhas brancas.

Resenha: A Espera de um Milagre foi um filme que me marcou muito, pois ele me emocionou muito com seu enredo envolvente e personagens cativantes. O filme é longo, com praticamente três horas - mas quando estamos envolvidos não sentimos o tempo passar. Ele é uma verdadeira obra de arte do gênero dramático - como não chegar às lágrimas assistindo a está história? Como não torcer e não se emocionar com a simplicidade de Coffey, odiado por algo que não cometeu?

Tom Hanks está fantástico na pele de Paul Edgecomb, conduzindo a história lado a lado com Michael Clarke Duncan. Sua atuação como John Coffey é espetacular, tão intensa e tão cheia de emoção que muitas vezes eu me esquecia de que aquilo era um filme. Não é à toa que seu papel neste filme lhe rendeu uma indicação ao Oscar por melhor ator coadjuvante - troféu que ele, infelizmente, não levou para casa. Temos aqui uma fotografia muito bem explorada e ajudando a climatizar o filme na década de 30 (1935 pra ser mais exato), também temos um excelente trabalho de figurino e direção de arte.

Como eu falei lá no inicio o filme é uma adaptação do livro “The Green Mile” do Stephen King, então a versão cinematográfica não ficou devendo a versão original, embora conte com algumas mudanças. Ela foi feita integralmente pelo diretor (que também recebeu uma indicação ao Oscar pela adaptação), que com habilidade extraiu o máximo dos atores em cena, conduzindo esse filme memorável. As pequenas atuações, de personagens que não concentram o foco da trama - seja da esposa de Paul, seja do seu chefe, seja dos outros guardas que não têm tanto destaque - dão uma incrível noção de realidade para o filme, apesar do seu forte caráter de mistério e de ser sobrenatural.

Então eu tenho motivos para acreditar que Stephen King deve ter ficado muito orgulhoso de ver suas palavras adquirirem dimensões tão sólidas na frente dos olhos de todos. Então se você quer um filme com mistério, drama e muita emoção “A Espera de um Milagre” é a pedida certa, e para finalizar o Criticando Cinema de hoje eu deixo o trailer desse filme memorável.




Por: Anderson Ricardo
Em: 07/09/2012
Objetivo: LigadosFM 




0