46º Mundo Cão – As Redes Sociais existem para abrigar tudo, menos usuários!


Redes sociais, a grande sacada das corporações on line dos dias de hoje, como Google, Facebook e Yahoo!. No mundo todo, a soma de usuários de redes sociais ultrapassa em números absolutos a população da China, nação mais populosa do mundo. Da Terra do Fogo ao norte da Ásia, poucos são os países do mundo que não registram usuários no mundo das mídias sociais – ou se trata de uma nação muito pobre, do ponto de vista econômico, ou é uma ditadura extremista com rígidos controles no acesso à informação e aos meios de comunicação.

Ter uma conta em um site de relacionamentos não é moda nem rebeldia! Faz parte da vida, é uma extensão do dia a dia, com direito à currículum vitae e agenda com os afazeres do dia seguinte. As pessoas, contudo, é que parecem confundir as coisas... Ingressar em sites de relacionamento é expor-se ao público e ao ridículo! É a necessidade de manter contato com seus próximos, desempenhar papeis sociais, exercer influências, emitir ideias e formar opiniões. É pura Psicologia Social dizer que o homem sente a necessidade em si de ser útil, de exercer algum tipo de influência e de fazer-se visível no meio em que vive. As redes sociais proporcionam isto.

Por exemplo, bem diferente do Orkut, o Facebook é um site de relacionamento com página instantânea (Timeline ou Linha do Tempo), onde tudo o que um usuário escreve ou compartilha é lido por todos os seus amigos e, tal qual provavelmente, amigos de amigos. O Orkut definia nichos e tribos e a notoriedade do usuário se restringia às tribos as quais ele ali se inseria (as comunidades)! Isto explica o porquê do Facebook ter dado tão certo e o Orkut ter tomado o rumo que tomou.

Em outras palavras, o Facebook permite que seus usuários ganhem maior notoriedade e condições de se tornarem referência. Ou seja, o próprio Facebook é o que é por permitir que seus usuários se exponham mais. Mas e quanto àqueles que não gostam de se expor, o que estão fazendo com uma conta na rede social? O que querem emitindo opiniões e formando (pre)conceitos?

No ultimo domingo, o programa Fantástico, da Rede Globo, exibiu uma reportagem em que um rapaz se passava de vidente e adivinhava toda a vida de um interessado que lhes procurava para uma consulta. Surpreendia com o que mostrava saber a respeito do interessado à sua frente, nomes de pessoas, anseios sociais, profissão, etc., ou seja, o óbvio que todo mundo sabe de alguém ou se não sabe desconfia... É lógico que isto está na página de relacionamentos de qualquer pessoa, é possível identificar tudo isto no seu cadastro, de forma que todos vejam!

Vem cá! O que isto tem a ver? O lugar de uma pessoa que não quer se expor é qualquer lugar do mundo, menos uma rede social. As pessoas estão ali para se mostrarem, compartilhar suas conquistas, o que faz, seus interesses e, até, inserir-se em nova tribos, autopromover-se, conhecer melhor os outros ao seu redor e permitir a esses outros a mesma coisa sobre si mesmo. Uma rede social é uma roda de convívio, igual a uma sala de aula, um grupo de estudos, um escritório. No Facebook, como em qualquer outra rede social, as pessoas conseguem e perdem seus empregos, conhecem gente nova, inicia namoros, terminam-nos, faz amizades e inimizades. Um indivíduo que não quer viver este tipo de experiência, simplesmente, decide não sair de casa ou não fazer uma conta em uma rede social.

Simples! Agora, por que, ainda assim, essas mesmas pessoas, “reservadas”, insistem em manter suas contas nesses sites? Não adianta esconder suas informações, como profissão, status de relacionamento, fotografias ou grau de parentesco e proximidade com determinadas pessoas de seus perfis. Em algum momento, isto sairá do controle de qualquer casquinha de ferida da própria publicidade pessoal. Na verdade, reconhecer em público o seu anseio de manter preservada a sua privacidade e suas informações pessoais é uma forma de se ganhar pontos no meio em que se convive. Vivemos em um mundo onde as pessoas valorizam o que é diferente e destacado do comum comportamento adotado pela maioria das pessoas.

Ser reservado... Melhor! Mostrar-se reservado para os demais, assim, de forma tão pública, é tão sensato e diferente quanto ter um diploma de graduação em meio a pedreiros. A sociedade valoriza os alfas e não os betas, ninguém preza pela companhia ou faz jus às opiniões daqueles que parecem não ter se encontrado. Pedir respeito à própria privacidade é mostrar estar decidido a tal, é apresentar-se superior ao que comumente ali naquela timeline está exposto. Ou seja, é o alfa que não quer se igualar aos betas...

Isto soa como defender seus protegidos, suas crias, seus dependentes, descendentes e ou até capacidade de plena de defender-se de qualquer hostilidade exógena. É de gente assim que a sociedade busca incessantemente, ser isto a qualquer custo. Expor-se desta forma é o lucro que se obtém no investimento feito no convívio social afora.

As pessoas, na verdade, não buscam a preservação de sua privacidade. Se prestarmos atenção maior aos detalhes, veremos que na timeline de alguns usuários estão divulgadas as suas atividades do dia a dia, onde trabalha e o que tem feito durante a semana, para onde tem ido e onde não pretende chegar. Com quem, o lugar, a hora, dia, etc. Entregam-se às claras para seus amigos e às escuras aos próprios olhos...

De verdade, as pessoas buscam, sim, a sensatez e a inteligência. A Rede Globo, no ultimo domingo, de alguma forma concluiu aos espectadores o risco de expor-se nas mídias sociais e os benefícios em não fazê-lo. Melhor, deixou pairando no ar o clima derrotista da grande maioria, que se expõe e preenche todos os campos do formulário de usuário desses sites. Soou bonito, venceram os reservados e os demais adotaram o diferente como verdade.

Por: Andesson Amaro Cavalcanti
Em: 23/10/2012

Confira a ultima coluna Mundo Cão: 45º Mundo Cão - Utilidade 360º
0